Um guia para a prática de Metta

A prática de Metta, ou amor-altruísta, ajuda a reduzir as tendências de raiva, ódio e inveja. Pelo Venerável Bhante Mahinda

Metta, na linguagem Pali ou maitri em Sânscrito quer dizer amor-altruísta ou amor com bondade. É o desejo para que todos os seres sencientes estejam bem ou felizes. Também é referido como ilimitado ou amor universal – um amor que transcende todas as barreiras tais como castas, cores ou credos.

Metta é comparado com o amor de uma mãe para com o seu filho único. O sétimo verso do Metta Sutta (o Discurso em Amor-altruísta) diz o seguinte:

Mātā yathā niyam puttam
Āyusā eka putta manu rakkhe
Evampi sabba bhūtesu
Mānasam bhāvaye aparimānam

Como uma mãe que protege o seu único filho
mesmo com o risco da própria vida
Ainda assim consegue cultivar
um coração bondoso para com todos os seres.

Metta Sutta

A práctica de metta, ou amor-altruísta, ajuda a reduzir as tendências de raiva, ódio e inveja. Metta é uma grande força de cura. Promove o desenvolvimento de virtudes tais como a compaixão, alegria altruísta, e equanimidade. Também promove paciência, tolerância, gratidão e acima de tudo, um coração misericordioso. Perdoar é um fator importante que ajuda a libertar bloqueios emocionais, devido a invejas ou remorsos. 

Quando fazemos metta, o nosso objetivo de meditação deve, primeiramente, ser direcionado para nós próprios, até começarmos a experienciar um sentido de bem-estar e calma em nós. À medida que pensamos “Estar bem e feliz, livre de ódio e hostilidade”, e por aí fora, devemos tentar senti-lo a partir dos nossos corações, sincronizando os nossos pensamentos com os nossos sentimentos.

Talvez desejem experimentar isso agora: Pensem apenas, “Estar bem e feliz” e manter 

um sorriso no nosso coração. Pausar por uns momentos e tentar sentir um sentido de bem-estar. Imbuir a totalidade do vosso ser com esse sentimento de calma e paz. 

Quando forem capazes de fazer isso, então devem aprender a irradiar amor-altruísta em todas as direções – para cima, para baixo e a toda a volta – até a vossa aura de calma encher a sala na totalidade. Depois continuem a irradiar por todo o edifício, para todas as áreas dos arredores, toda a vizinhança, cobrindo todos os subúrbios ou aldeia, toda a vila ou cidade. Depois todo o país, os países vizinhos e ilhas, cobrindo todo o mundo. E eventualmente para todos os reinos de existência, quer conhecidos ou desconhecidos de nós. 

Em alternativa podemos direcionar as nossas mentes e enviar metta para as dez direções: norte, sul, este e oeste, nordeste, sudeste, sudoeste, noroeste, para cima ou para baixo. 

Após irradiar metta em todas as direções, podem direcionar metta para todos os seres, começando por aqueles que estão mais perto e são mais queridos por vocês. Quando estão a direcionar metta para as pessoas, devem tentar sentir a presença delas, e à medida que desejam o seu bem-estar e felicidade, também devem experienciar a sensação de bem-estar. Se tiverem um professor religioso ou Mestre Espiritual, devem começar com os vossos professores/Mestres. Caso contrário podem pensar na vossa mãe, pai, irmãos e irmãs, na vossa esposa ou outros membros da família. Depois, os vossos professores da escola, familiares e amigos. Podem começar com apenas uma pessoa, alguém em quem acreditam e confiam, alguém que respeitam e por quem sentem gratidão, e depois começarem a incluir os outros. 

Se pensarem em determinada pessoa, e se o pensamento nessa pessoa fizer surgir o sentimento de raiva, aversão ou outra emoção negativa, então devem evitar irradiar metta para com essa pessoa durante esse período. Quando a prática for mais estabelecida, então podem pensar neles novamente. 

Devem também evitar pessoas com quem estão emocionalmente muito apegados. Se se concentrarem naqueles a quem estão emocionalmente apegados, é provável que não desejem irradiar para os outros, pois vão tender a desenvolver desejo e paixão, em vez de metta ou amor ilimitado. 

Podes ler na íntegra este artigo na revista #2 de Budismo, uma resposta ao sofrimento.


Bhante Mahinda

Bhante Mahinda

O Venerável Mahinda foi ordenado em 1976 sob a tutela do falecido Venerável Dr. K. Sri Dhammananda Nayaka Thera. Ensinou Mindfulness e Meditação Metta ao longo de quase 45 anos em mais de 20 países. 

Presentemente, o Venerável Mahinda é abado do Aloka Meditation Centre na Austrália; Conselheiro Religioso na Buddhist Missionary Society, na Malásia; Fundador e Diretor Espiritual da Fundação Aloka, na Malásia. É conselheiro de outras organizações Budistas na Malásia, Singapura e Austrália. 

Revista #2 Dezembro 2020

Revista #2 Dezembro 2020

8.66 MB 1161 Downloads