Ser Bom: Ética Budista para o Dia a Dia

Por Jorge Silva, Editora Nascente.

Quando há três anos a Nascente publicou este Ser Bom, pretendia contribuir para a divulgação dos preceitos de uma religião que, apesar da sua ainda diminuta implantação em Portugal, está na base de importantes ferramentas de desenvolvimento pessoal que se popularizaram este século, designadamente a meditação e o mindfulness. O budismo constitui um manancial de práticas que visam a libertação do sofrimento e a criação de uma vida harmoniosa entre todos os seres, humanos ou não. É, pois, fundamental aprender com uma religião com mais de 2000 anos que nos pode ajudar muito a perceber o caminho correto na vida, que terá de passar sempre por traves-mestras como o respeito, a humildade, a compaixão, enfim, a bondade. Ser bom é importante porque significa ser feliz, contribuir para a felicidade dos outros e contribuir para a harmonia do mundo. Sendo bons podemos mitigar os conflitos interiores, deixar de ser fonte de choques com os outros e fundir-nos mais com a nossa essência, que é, estou convencido, eminentemente espiritual.

Este livro ajuda-nos a atingir isso. Não se pense que é um caminho fácil, mas como em tudo o que se pretende melhorar, é necessária muita prática. Um bom professor é sempre um facilitador da aprendizagem, o que é o caso do Venerável Mestre Hsing Yun, há mais de sete décadas a promover o budismo humanista.

Ficamos com esta obra mais capacitados para resolver alguns dos problemas mais recorrentes no ser humano da atualidade: controlar o corpo e o discurso; superar a ganância; vencer a ira; ter paciência perante insultos; conviver melhor com os outros; ou até gerir as finanças pessoais.  

Quando referimos o controlo do corpo, não queremos dizer mais do que prezarmos de uma forma descontraída e sensata aquilo que é a nossa preciosa e avançada ferramenta para experimentarmos o mundo. Coisas básicas como descanso, exercício e alimentação adequados.   

A ganância é, segundo o autor, «a doença básica de todos os seres conscientes». Na sua origem está a noção pouco budista de que existimos de forma independente dos outros, o que resulta na criação de desejos e apegos que só amplificam a ignorância e, por consequência, a ganância. E como a podemos superar? Através da meditação, da contemplação e de uma profunda introspeção que conduz à sabedoria, a antítese da ignorância.

Juntamente com a ignorância e a ganância, a ira é um dos três «venenos» referidos por Buda, que a reconhece em três formas: a ira sem motivo; a ira com um motivo; e a ira dialética. Este terceiro tipo é particularmente sugestivo, pois grassa nos nossos tempos de sociedade da comunicação com a facilidade com que, instantaneamente, os argumentos se esgrimem em múltiplas plataformas. É a forma de ira que surge quando alguém discorda de nós, o que, normalmente, acaba por ser uma fonte de conflito e de raiva. E qual a melhor forma de vencer a ira? Através da compaixão e da paciência.

O poder da paciência é, aliás, imenso para o budismo. Deve ser praticada com intensidade, pois propicia múltiplos benefícios: dissipa a ira; é um refúgio seguro; é fonte de muita bondade; e ensina-nos a tornarmo-nos Budas nós mesmos.

Tudo isto é fundamental para que aprendamos a conviver com os outros. Num mundo de interações, é vital para uma vida com alegria que não sejamos inábeis nesse domínio. E a generosidade é a base para um mundo harmonioso uma vez que, quando somos generosos, aprendemos a desapegar-nos das nossas posses e damos um exemplo de comportamento que é o contrário da ganância.     

Até a gestão das finanças podem ser iluminadas pelo budismo, que, ao contrário do que se possa pensar, não rejeita a riqueza. Alguns dos primeiros budistas eram mesmo pessoas ricas, como reis ou comerciantes. O importante é a forma como se gere o dinheiro, que deve ser ética e responsável. Embora a sociedade do tempo de Buda fosse muito diferente, é necessário retirar a essência dos seus ensinamentos e essa passa por duas coisas: primeiro, adquirir a riqueza de forma honesta; segundo, usá-la para ajudar os outros. Assim se cumprirá uma oportunidade material de praticarmos o desapego, a compaixão e a generosidade, pilares dos ensinamentos budistas.

Esta é, está claro, uma excelente introdução ao budismo e à criação de uma mente bodhi, ou seja, uma mente iluminada, ou, pelo menos, uma mente que busca a iluminação, algo que é de extrema importância para cada ser humano e para o mundo.

Sobre o autor

O Venerável Mestre Hsing Yun é monge budista há mais de 70 anos. Dedicou a sua vida à promoção do Budismo Humanista, que tem como objetivo dar resposta às necessidades das pessoas e integrar-se de forma perfeita em todos os aspetos da vida diária.

É fundador da Ordem Budista Fo Guang Shan, com sede em Taiwan e templos por toda a Ásia, Austrália, Europa e Américas. 

Saiba mais sobre a Buddha Light International Association em: www.ibps.pt

Este livro saiu no #1 da Revista Budismo, uma resposta ao sofrimento.

Podes ler as primeiras páginas do livro aqui…

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.