Budismo e Estado no Tibete do século XVII: cosmologia e teologia nas obras de Sangyé Gyatso

Autor: Ian J MacCormack.

Esta dissertação estuda os trabalhos do Desi Sangyé Gyatso (1653-1705), um prolífico e influente estadista tibetano. As suas principais fontes são textos de Sangyé Gyatso e, em menor medida, do quinto Dalai Lama, Ngawang Losang Gyatso (1617-82).

O Dalai Lama era a autoridade máxima do governo Ganden Phodrang, fundado em 1642. Sangyé Gyatso era o seu “lugar-tenente” e assumiu o controle após a morte deste. Durante o seu mandato como governante, Sangyé Gyatso fez importantes contribuições intelectuais e práticas para este estado budista tibetano.

Escreveu longamente sobre a autoridade do governante e os objetivos do estado. As suas ideias desenvolveram-se em conversas estreitas com textos, conceitos e práticas budistas, levando a novas reformulações de ideias já percorridas, ao mesmo tempo que informavam as práticas, rituais e arquitetura da corte.

Embora famoso como político, o pensamento de Sangyé Gyatso sobre o budismo e o Estado tem recebido menos atenção nos estudos. Este projeto lança luz sobre vários dos seus textos, tanto no interesse de fomentar um estudo mais aprofundado quanto para sugerir possibilidades alternativas para pensar a religião e a política, além de expor os mecanismos de poder.

Ao longo de seis capítulos, esta dissertação destaca três grandes produções da regra de Sangyé Gyatso: um modelo para falar em público, um feriado para comemorar o Dalai Lama e um novo palácio construído em Lhasa. Ele defende a participação direta de discursos cosmológicos e teológicos e as suas práticas relacionadas no trabalho de situar, articular e realizar um estado budista.

O estudo pode ser lido em inglês, aqui...

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Fonte: Academia.edu